Category Archives: Convocatória

Manifestação: Enterrar de vez o furo, Tirar as Petrolíferas do Mar – 14 de Abril – Praça Camões – 15h

A ameaça de furos de petróleo paira sobre nós. Adiamentos, prorrogações, avaliações de impacto ambiental, renegociações… É hora de acabar de vez com as ameaças de furo de petróleo em Portugal. A força das populações, movimentos e autarcas, unidos a uma só voz para dizer não, para dizer que um furo de petróleo é uma guerra, será ouvida.

Porque precisamos de deixar de consumir combustíveis fósseis, de parar de investir numa indústria obsoleta que nos empurra a todos para o abismo, dizemos não. Porque precisamos de preservar o nosso litoral e o nosso interior, salvaguardar a sua biodiversidade da poluição catastrófica que significa o petróleo e o gás, dizemos não. Porque respeitamos as populações, actuais e futuras, dizemos não. Porque temos de travar as alterações climáticas e só o faremos se pararmos definitivamente de explorar e queimar hidrocarbonetos, dizemos não! Vamos enterrar de vez este furo, acabar com todos estes contratos e correr de vez para as energias limpas, rumo ao futuro.

Dia 14 de abril marchamos, desde o Largo de Camões até à Assembleia da República. Marchamos, vindos do Norte e do Sul, do Algarve, do Alentejo, de Peniche, do Porto, da Batalha e de Pombal. Marchamos pelo futuro. Vamos enterrar de vez este furo.

INSCRIÇÃO PARA OS AUTOCARROS: www.salvaroclima.pt

Subscritores (em atualização):

Academia Cidadã, Alentejo Litoral pelo Ambiente, ASMAA – Algarve Surf and Maritime Activities Association, Climáximo, Coletivo Clima, Coopérnico, Futuro Limpo, GAIA – Grupo de Acção e Intervenção Ambiental, Linha Vermelha, Núcleo do Ambiente da FLUL, Sciaena, Tamera, Peniche Livre de Petróleo, Plataforma Algarve Livre de Petróleo, Stop Petróleo Vila do Bispo, Tavira em Transição, Zero.

As organizações que gostariam de subscrever a convocatória, podem enviar email a enterrardevezofuro [-at-] salvaroclima.pt .

Rock in Riot – Ocupar as Ruas, Reclamar a Cidade – Dia 24 de Março – 16h – Alameda

Próximo dia 24 de Março às 16h na Alameda vamos todis reclamar a cidade para todas as pessoas!

Ocupar a rua, reclamar a Cidade

A modernização de Lisboa nas últimas décadas tem vindo a redesenhar o território metropolitano enquanto um gigantesco negócio. Os espaços que outrora eram vividos colectivamente estão agora reconfigurados enquanto mero meio de criar dinheiro e as infraestruturas que visavam organizar a vida colectiva parecem agora apenas organizar a velocidade das interacções económicas.

O preço da habitação disparou, assim como dispararam os despejos. Encontrar casa para viver é difícil e nenhum inquilino se sente seguro. A habitação deixou de ser o local onde vivemos para se tornar num investimento. Por isso há cada vez mais casas não habitadas, casas com janelas emparedadas e cada vez menos sítios para viver.

A cidade é um bem comum, colectivamente produzido por todos os que nela habitam. Um pouco por todo o lado surgem processos de resistência que procuram salvaguardar e organizar os restos de comunidade que sobrevivem por entre a especulação e a comercialização de todos os aspectos da vida. Contra eles, o poder encontra sempre novas formas de sistematizar, separar, atomizar e dividir as populações.

Uma perspectiva alargada da cidade torna claro que o aumento dos preços da habitação é fruto dos negócios partilhados entre banca, fundos imobiliários e o poder autárquico; a expulsão das populações mais pobres e marginalizadas do centro; a gestão policial dos bairros das periferias e o policiamento de comportamentos e expressões corporais no espaço público; ou a privatização de ruas, praças, jardins e teatros municipais não são fenómenos separados, mas constituem expressão da forma como o espaço urbano se tornou numa máquina produtora de capital.

Contra esta lógica, vamos estar em festa na rua no dia 24 de março, entre a Alameda e o Intendente. Para mostrar que não concordamos com as políticas e a gestão que os poderes públicos têm feito da cidade e metrópole de Lisboa, nem com o papel que essas políticas nos atribuem. Fazendo uso da rua, afirmamos uma reapropriação da cidade.

Apelamos à participação de todos e todas. Tragam bicicletas, skates, patins. Se queres participar com um sistema de som, com uma carrinha alegórica ou outro tipo de veículo motorizado contacta com a organização: rockinriot2018@gmail.com

11 de Fevereiro: 3º Encontro Nacional pela Justiça Climática

Domingo, dia 11 de Fevereiro terá lugar a terceira edição do Encontro Nacional pela Justiça Climática. Desta vez, é a FCUL (Faculdade de Ciências da Universidade de Lisboa) que vai acolher os activistas climáticos.

O encontro começa às 10 horas com um plenário (Edifício C6) e encerra às 18 horas, novamente com um plenário.

Programa detalhado aqui

 

Convocatória para Assembleia Geral Electiva da associação GAIA

Convocatória

Ao abrigo dos art. 15º e 16º dos nossos estatutos, convocam-se todos os sócios da associação GAIA – Grupo de Acção e Intervenção Ambiental para uma Assembleia Geral Electiva a realizar no dia 8 de Dezembro de 2017, pelas 11 horas, no espaço de trabalho do núcleo do Alentejo “Oficina São Luís”, sito nas instalações anexas à Junta de Freguesia de São Luís, na localidade de São Luís, com a seguinte ordem de trabalhos:

  • Ponto 1 – Apresentação e votação do Relatório de Contas de 2016
  • Ponto 2 – Apresentação e votação do Relatório de Actividades de 2017 dos núcleos Lisboa e Alentejo
  • Ponto 3 – Apresentação e votação do Plano de Actividades para 2018
  • Ponto 4 – Eleição dos membros dos órgãos sociais
  • Ponto 5 – Deliberação e votação de uma alteração nos estatutos: Artigo 10º ponto 6 passará a ter nova redacção, a saber “A duração do mandato do Conselho Executivo é de 2 anos.”
  • Ponto 6 – Outros assuntos

Não estando presente à hora marcada o número mínimo de sócios para iniciar a deliberação, a Assembleia Geral reunirá meia hora depois, em segunda convocatória, com os sócios presentes.

Lisboa, 30 de Novembro de 2017

A Presidente da Mesa da Assembleia Geral

Rita Queiroga Bento

Acção de solidariedade contra os despejos: Não à expulsão do Sôr António!

atenção ACÇÃO!!! Marquem nas vossas agendas! Não tirem o Sôr António de Alfama onde sempre morou!

O Sr. António Melo está para ser despejado desde Maio de 2017. Com 71 anos, e com graves problemas cardíacos, vê-se hoje sem contrato renovado, com ordem de despejo e sem qualquer alternativa na zona onde sempre viveu, nem no resto de Lisboa ou mesmo além dela. São rendas muito caras e portas que se fecham a fazer contrato, perante a sua idade. O prédio onde o Sr. António vive entrou em obras profundas sem qualquer autorização. Foi nesta altura que o Sr. António começou a sofrer acções de intimidação e assédio constante por parte do proprietário para o obrigar a sair, destruindo partes da sua casa e tornando a sua vida impossível lá dentro. Foi apresentada queixa à CML. No entanto, e já sabendo desta situação e que as obras tinham começado de forma ilegal, a CML deu autorização para obras ao proprietário e sugeriu ao Sr. António que concorresse aos concursos ou que fosse morar para a periferia.

O Sr. António é de Alfama e sempre ali viveu, é lá que tem os seus amigos, as suas rotinas, a sua médica e toda a sua vida. É lá que se sente bem. Tentou os concursos da CML várias vezes. Gastou muito dinheiro em documentos para no fim centenas de pessoas ficarem à sua frente no sorteio.

O Sr. António inscreveu-se para falar na reunião pública da Câmara Municipal no próximo dia 29 mas a assessora presente disse-lhe que ele não poderia falar pois o assunto era já sobejamente conhecido e que não valia a pena insistir. Isto é inaceitável: os técnicos ou os assessores políticos não podem inibir de falar às pessoas que se querem inscrever na reunião pública.

A Câmara tem cerca de uma centena de casas vazias na freguesia de Santa Maria Maior, e uma destas casas deveria ser para o Sr. António que está em risco de despejo e não tem qualquer alternativa.

Por tudo isto, queremos apoiar o Sr. António a ir à reunião pública da Câmara na Quarta-feira, dia 29 de Novembro. Juntem-se a nós na Praça do Município às 17h30 para instar que o deixem falar e exigir uma SOLUÇÃO PARA O SÔR ANTÓNIO!!

Partilha! Sr. António está com ordem despejo depois do seu contrato acabar em Maio de 2017. A lei não está do seu lado, apesar de não encontrar alternativa onde viver, apesar de ter 72 anos, apesar de toda a sua vida viver em Alfama e ser lá que lhe restam amizades, rotinas e apoio – fundamentais neste momento da sua vida. Sofre agora o que se pode chamar de Bullying imobiliário: formas de pressão inaceitáveis para o pressionar a sair como inundações na casa, ou obras profundas sob o seu teto que lhe tornam a vida impossível. O Sr. António já pediu apoio à câmara, mas não conseguiu nada até agora. A CML deveria usar as casas que tem no património disperso para realojar quem está a ser expulso. Peçam SOLUÇÕES adequadas para o Sr. António Melo: gab.presidente@cm-lisboa.pt e a todos os partidos que elegeram vereadores!

Posted by Habita on Montag, 16. Oktober 2017

Apresentação da lista candidata aos órgãos sociais para o mandato 2017-2019

Os representantes da Mesa da Assembleia Geral, na sua qualidade de Comissão Eleitoral, informam que receberam uma única lista candidata às eleições para os órgãos sociais, para o mandato  que inicia no dia vinte e dois de Dezembro de dois mil e dezassete e termina no dia vinte e dois de Dezembro de dois mil e dezanove, inclusive.

Apresenta-se a lista única, a saber:

Conselho Executivo:

Presidente: Lanca Elvira Horstink

Vice-Presidente: Sara Rodrigues da Costa Serrão

Tesoureira: Mara Carolina Carvalho Sé

1º Secretário: Ana Rita Magalhães

2º Secretário: André Simão Studer Ferreira

Conselho Fiscal:

Presidente: Clément Fraisse

1º Secretário: Mehmet Ali Uzelgun

2º Secretário: Rita Queiroga Bento

Mesa da Assembleia Geral:

Presidente: Maria Leonor Valfigueira Coimbra

1º Secretário: Sinan Eden

2º Secretário:  Idalina Maria Fernandes de Jesus

 

Lisboa, 24 de Novembro de 2017

Em representação da Comissão Eleitoral,

A Presidente da Mesa da Assembleia Geral

Rita Queiroga Bento

Convite aos associados do GAIA para apresentar listas candidatas à eleição dos órgãos sociais

Em cumprimento com o Artigo nº 10 do estatutos, a Mesa da Assembleia Geral do GAIA – Grupo de Acção e Interacção Ambiental, na sua qualidade de Comissão Eleitoral, convida a todos os associados interessados a apresentarem listas candidatas às eleições para os órgãos sociais, que terão lugar no dia oito de Dezembro de dois mil e dezassete.

Os órgãos sociais serão eleitos para o novo mandato de dois anos que inicia no dia vinte e dois de Dezembro de dois mil e dezassete e termina no dia vinte e dois de Dezembro de dois mil e dezanove, inclusive.

Das listas candidatas devem constar cinco nomes para o Conselho Executivo, três nomes para a Mesa da Assembleia Geral e três nomes para o Conselho Fiscal.

As listas candidatas devem ser entregues à Presidente da Mesa da Assembleia Geral até às onze horas do dia vinte e quatro de Novembro, utilizando para este efeito o email geral do GAIA, gaia@gaia.org.pt

Lisboa, 17 de Novembro de 2017

A Presidente da Mesa da Assembleia Geral

Rita Queiroga Bento

Lançamento do relatório: “Empregos para o Clima” em Portugal

A Campanha internacional “Empregos para o Clima” existe em Portugal desde 2015 e conta com o apoio de várias organizações cívicas, sindicais e ambientais.

Ao longo do último ano a campanha contou com a colaboração de vários académicos e ativistas para elaborar um relatório sobre os empregos necessários para a transição energética em Portugal.

Que empregos? Em que setores? Com que custos? Que transição? A publicação foca-se nestas e outras questões, avançando a estimativa global de 100 000 novos empregos para reduzir as emissões poluentes de Portugal em 60-70%, em 15 anos.

O lançamento do relatório “Empregos para o Clima” terá lugar amanhã, dia 19 de outubro(quinta-feira) pelas 19h no auditório do CES- Lisboa (Picoas Plaza), e contará com a presença de:

Manuel Carvalho da Silva – CES-Lisboa (comentador)
Ana Delicado – Instituto de Ciências Sociais, UL (oradora)
Américo Monteiro – CGTP-IN (orador)
Ana Mourão – Climáximo (moderadora)

Ambientalistas dizem não ao milho transgénico em São Tomé

Actalização a 13 de Maio no DN
ENTREVISTA: Estado são-tomense “saberá responder” sobre vantagens de milho híbrido – PR
O Presidente são-tomense defendeu hoje que o Estado saberá responder em devido tempo sobre os resultados de uma experiência chinesa com milho híbrido no país, que motivou uma greve de fome de protesto de uma ambientalista em Lisboa.
Em entrevista à agência Lusa em Lisboa, Evaristo Carvalho referiu que “o Estado saberá responder em devido tempo sobre as vantagens ou não” em relação a este projeto, criticado por ambientalistas.
A ambientalista são-tomense Elsa Garrido, da associação Greenpeace, está há 17 dias em greve de fome em frente à embaixada do seu país em Lisboa, em protesto contra a falta de transparência na introdução de milho transgénico chinês no arquipélago.
Em abril, o chefe da missão agrícola chinesa em São Tomé, Hou Xiaoping, disse aos jornalistas que uma equipa de técnicos chineses começou a cultivar milho híbrido – que resulta de cruzamentos controlados entre duas espécies diferentes, mas pertencentes ao mesmo género – no campo hortícola de Mesquita no centro da ilha de São Tomé, para ração animal.
Os ambientalistas acusaram o Governo são-tomense de ter autorizado a plantação de milho transgénico (geneticamente modificado para resistir a doenças ou espécies invasoras), mas o executivo desmentiu essa informação, reafirmando que se trata de milho híbrido e que o cultivo não passa de um teste.
“Os especialistas dizem que um híbrido também pode ser transgénico. O nosso ministro da Agricultura, Teodorico Campos, veio dizer que milho não tem perigo nenhum, mas ele próprio não sabe, porque não foi feito nenhum estudo de impacto ambiental”, disse Elsa Garrido, em declarações à Lusa na quinta-feira.
A ativista disse também que as autoridades são-tomenses não fizeram um estudo prévio ou um relatório de avaliação de riscos, nem fizeram qualquer comunicação à população.
O Presidente são-tomense, que começou na segunda-feira uma visita de uma semana a Portugal, considerou que a sua conterrânea “tem o direito de fazer a sua reivindicação” e acrescentou que técnicos são-tomenses estão a analisar esta questão, devendo pronunciar-se “em breve”.
Elsa Garrido disse que as pessoas em São Tomé estão desinformadas e assegurou que os técnicos, os engenheiros e os jornalistas são-tomenses têm medo de falar sobre o caso.
“O cidadão está a ser silenciado com meios tão severos como se estivéssemos numa ditadura. Os técnicos têm medo de falar e perder o emprego, os engenheiros têm medo de falar e até os jornalistas em São Tomé têm medo de falar. Da questão do milho passou-se ao direito cívico à informação”, disse.
A ativista disse que vai manter o protesto até o Governo “declarar a abertura de debates públicos em São Tomé [sobre o milho transgénico]”.
Actualização prévia no Diário de Notícias, quando a Elsa Garrido cumpre 15 dias de greve de fome.
(Comunicação da Plataforma Transgénicos Fora, 9 de Maio 2017)
Com muita coragem e um misto de fé e desapego a ativista santomense Elsa Garrido está há cerca de duas semanas em greve de fome em frente à embaixada de São Tomé e Príncipe em Lisboa em protesto pela falta de transparência na introdução de milho chinês em STP. A sua vontade determinada tem levado ao coalescer de apoios e interesses: a associação Gaia trouxe a sua vasta experiência na área, uma clínica disponibilizou alojamento e acompanhamento médico e aos poucos o assunto ganha projeção na comunicação social (e, na mesma proporção, poder de incomodar). Entretanto o presidente de STP está desde ontem em Portugal para uma visita oficial de uma semana. Quem quiser dar uma forcinha pode mandar um email para a embaixada (embaixada@emb-saotomeprincipe.pt) só a dizer, por exemplo: “Por favor abram o diálogo com a ativista em greve de fome por causa do milho chinês em STP. O vosso presidente não pode ignorar um caso básico de transparência e preocupação ambiental que irá influenciar profundamente a imagem que tenho do vosso país.”

Convocatória aos sócios para Assembleia Geral

Convocatória

Ao abrigo dos art. 15º e 16º dos nossos estatutos, convocam-se todos os sócios da associação GAIA – Grupo de Acção e Intervenção Ambiental para uma Assembleia Geral Ordinária a realizar no dia 12 de Fevereiro de 2017, pelas 10 horas, na sede da associação, sita na Rua da Regueira, número 40, em Lisboa, com a seguinte ordem de trabalhos:

Ponto 1 – Apresentação e votação do Relatório de Contas de 2015
Ponto 2 – Apresentação e votação do Relatório de Actividades de 2016
Ponto 3 – Apresentação e votação do Plano de Actividades para 2017
Ponto 4 – Outros assuntos

Não estando presente à hora marcada o número mínimo de sócios para iniciar a deliberação, a Assembleia Geral reunirá meia hora depois, em segunda convocatória, com os sócios presentes.

Lisboa, 3 de Fevereiro de 2017

A Presidente da Mesa da Assembleia Geral

Rita Queiroga Bento