CONVOCATÓRIA DE ASSEMBLEIA GERAL EXTRAORDINÁRIA

Ao abrigo do artigo dezasseis dos nossos estatutos, convocam-se todo/as o/as sócio/as da associação GAIA – Grupo de Acção e Intervenção Ambiental para uma Assembleia Geral Extraordinária a realizar na Terça-feira dia dessazeis de Janeiro de dois mil e vinte e quatro pelas dez horas, na sede da associação GAIA-Grupo de Acção e Intervenção Ambiental, sita na Rua da Regueira, número quarenta, na freguesia de Santa Maria Maior em Lisboa, com a seguinte ordem de trabalhos:

Ponto um: Alteração parcial dos estatutos da associação conforme deliberada na Assembleia Geral do dia vinte e nove de Outubro do ano de dois mil e vinte e três, nomeadamente em relação à morada da sede (Artigo 2º), à actividade mencionada no ponto 4. do Artigo 4º, e à forma de convocar as Assembleias Gerais (Artigo 26º);

Ponto dois: Alteração adicional de dois artigos que por lapso não foram corrigidos na Alteração Parcial dos Estatutos da Associação efectuada no dia vinte de Novembro de dois mil e oito para evidenciar a substituição do termo ‘Direcção’ para ‘Conselho Executivo’, a saber os Artigos 17º (ponto 3) e 18º.

Não estando presente à hora marcada o número mínimo de sócios para iniciar a deliberação, a Assembleia Geral reunirá meia hora depois, em segunda convocatória, com os sócios presentes.

Lisboa, cinco de Janeiro de dois mil e vinte e quatro.

O Presidente da Mesa da Assembleia Geral

Clément Fraisse

Convocatória Assembleia Geral Eleitoral 2023

Ao abrigo do artigo dezasseis dos nossos estatutos, convocam-se todo/as o/as sócio/as e colectivos parceiros da associação GAIA – Grupo de Acção e Intervenção Ambiental para uma Assembleia Geral Ordinária Eleitoral a realizar no Domingo dia vinte e nove de Outubro de dois mil e vinte e quatro, pelas dez horas, no Centro de Aprendizagem Co.Re, sito na Avenida 25 de Abril n°16, freguesia de Sao Luis, Concelho de Odemira, com a seguinte ordem de trabalhos:

Ponto um – Apresentação e votação do Relatório de Contas de dois mil e vinte e dois. 

Ponto dois – Apresentação e votação do Relatório de Atividades de dois mil e vinte e três. 

Ponto três – Eleição dos membros dos órgãos sociais para o novo mandato que inicia aos treze dias de Novembro de dois mil e vinte e três e termina aos doze dias de Novembro de dois mil e vinte e cinco, inclusive. 

Ponto quatro – Discussão das prioridades, parcerias e atividades para dois mil e vinte e quatro. 

Ponto cinco – Discussão e tomada de decisão sobre a mudança da sede da associação para São Luís. Deliberações sobre a uniformização e nova redação dos estatutos da associação.¶

Ponto seis – Apresentação e votação do Plano de Atividades para dois mil e vinte e quatro.

Ponto sete – Outros assuntos. 

Os pontos um a três inclusive serão discutidos durante a manhã. A discussão dos pontos quatro a seis, que serão também de interesse de parceiros do GAIA, está prevista para a tarde, entre as catorze horas e trinta e dezasseis horas.

Não estando presente à hora marcada o número mínimo de sócios para iniciar a deliberação, a Assembleia Geral reunirá meia hora depois, em segunda convocatória, com os sócios presentes.

Lisboa, doze de Outubro de dois mil e vinte e três.

O Presidente da Mesa da Assembleia Geral

Clément Fraisse

RESERVE A DATA: Confluência pela Agroecologia, dia 20 de Abril em Torres Vedras

Confluência pela Agroecologia, 20 de Abril, das 14h30-18h30, em Torres Vedras

Vamos, em colectivo, mapear as iniciativas agroecológicas que existem no nosso país e reflectir com a Clara Nicholls e o Miguel Altieri sobre que Rede de Agroecologia queremos construir em Portugal. 

Fiquem atentxs, mais informações seguirão em breve.

Contamos com todxs!

Evento Facebook

Para além do espaço verde: hortas e resistência quotidiana

Conversa a partir das 18h30 e hambúrgueres veganos – @GAIA Alfama

As hortas urbanas têm permitido formas de resistência quotidiana que realizam aquilo que podemos chamar de direito à cidade.
Falamos das hortas que espontaneamente ocupam solos mais ou menos marginais da cidade, seja de modo coletivo ou individual.
Juntamo-nos no GAIA para uma conversa sobre estas experiências de ocupação camponesa da terra urbana, que produzem alimento e fortalecem espaços autónomos onde a dignidade se cultiva com a enxada e estabelecem -se redes informais em que se pratica a solidariedade, a troca, o convívio e o trabalho coletivo. Na periferia ou margens da cidade florescem hortas não reguladas, mas raramente no centro da cidade, onde o poder político tem imposto a sua política de espaços verdes, não isenta de violência, como pudemos testemunhar em 2013, com a completa destruição da Horta do Monte.Junta-te a esta conversa sobre hortas e espaços de resistência urbana.
* Temos sementes livres – para emprestar e trocar.
** Há manifestações pela vida justa (#vidajusta), dia 25 Fev e pelo direito à habitação e à cidade, dia 1 de Abril (#direitoahabitacão). Vamos!
*** Os fundos deste jantar-benefit revertem para apoiar a Semana de Ações e Manifestações pelo Direito à Habitação e à Cidade (#HAD2023).

Vida Justa – Justiça e igualdade para acabar com a crise – 25 de fevereiro

Manifesto – Vida Justa

Basta de aumento de preços

Todos os dias os preços sobem, os despejos de casas aumentam e os salários dão para menos dias do mês. As pessoas estão a escolher se vão aquecer as suas casas ou comer.

Depois da pandemia vieram as guerras e as sanções e com elas a crise social e a ameaça de recessão económica. A crise não parece ter fim à vista.

As pessoas são vítimas de uma sociedade que acha normal pagar mal a quem trabalha. Quando começou a pandemia, a gente dos bairros continuou a cumprir o seu dever, quando muitos recolheram a casa. As trabalhadoras da limpeza continuaram a trabalhar, os dos transportes a manter o país a funcionar, os operários da construção civil a ir para as obras, os trabalhadores dos supermercados continuaram a sacrificar-se por toda a gente.

Todos os dias, vemos os lucros das petrolíferas e das grandes empresas a crescerem, e os salários de quem trabalha a desaparecerem.

O governo está mais preocupado em pagar a dívida pública, ao dobro da velocidade que a União Europeia nos quer obrigar, do que em ajudar a maioria das pessoas a resistirem a esta crise.

O estado de guerra na Europa transformou-se – com as sanções cegas que não param o massacre e a escalada dos combates na Ucrânia – numa guerra às pessoas que trabalham. Dando ainda mais dinheiro aos ricos, enquanto baixam, cada vez mais, os salários reais dos trabalhadores.

Em muitos dos bairros, as autoridades atacam e fecham os pequenos comércios que servem as comunidades, apreendendo as mercadorias e pondo em causa a sustentabilidade dos bairros e a manutenção da economia local. Há uma guerra contra as populações mais pobres que tem de parar. 

Para inverter esta situação, as pessoas têm de ter o poder de exigir um caminho mais justo que distribua igualmente os custos desta crise. Não pode ser sempre o povo a pagar tudo, enquanto os mais ricos conseguem ainda ficar mais ricos.

É preciso dar poder às pessoas para conseguirem ter uma vida digna. Exigimos um programa de crise que defenda quem trabalha: os preços da energia e dos produtos alimentares essenciais devem ser tabelados; os juros dos empréstimos das casas congelados, impedir as rendas especulativas das casas, os despejos proibidos; deve haver um aumento geral dos salários acima da inflação; medidas para apoiar os comércios, pequenas empresas e os postos de trabalho locais e valorizar económica e socialmente os trabalhos mais invisíveis como o de quem trabalha na limpeza.

Em tempo de crise, a política tem de proteger mais as pessoas.

Gente preocupada dos bairros, militantes de várias causas e movimentos sociais querem dar passos para construir uma rede e multiplicar acções que dêem mais poder às pessoas e que consigam impor políticas que defendam as populações e quem trabalha.

Por tudo isso, todos os que subscrevem este manifesto da Vida justa (moradores dos bairros, pessoas dos movimentos sociais e outros cidadãos) convocam uma manifestação, em Lisboa, no dia 25 de Fevereiro, e várias concentrações locais, para defesa dos nossos bairros e da dignidade de vida dos que trabalham e que criam a riqueza do país.

No dia 25 de Fevereiro, estaremos na rua para exigir ao governo que nos ouça e que cumpra estas medidas mínimas que propomos para que a crise seja combatida com justiça. 

Justiça e igualdade para acabar com a crise.

Convocatória Assembleia Geral 2022

Ao abrigo do artigo dezasseis dos nossos estatutos, convocam-se todo/as o/as sócioas e colectivos parceiros da associação GAIA – Grupo de Acção e Intervenção Ambiental para uma Assembleia Geral Ordinária a realizar no domingo, dia onze de dezembro de dois mil e vinte e dois, pelas dez horas, na Quinta Maravilha em Palmela, com a seguinte ordem de trabalhos:

Ponto um – Apresentação e votação do Relatório de Contas de dois mil e vinte e um. 

Ponto dois – Apresentação e votação dos Relatórios de Actividades de dois mil e vinte e dois, dos dois núcleos. 

Ponto três – Discussão das prioridades, parcerias e actividades para dois mil e vinte e dois. 

Ponto quatro– Apresentação e votação do Plano de Actividades para dois mil e vinte e três.

Ponto cico– Outros assuntos. 

Embora não obrigatória estatutariamente, agradece-se para facilitar a organização da Assembleia Geral a confirmação de presença para o email gaia@gaia.org.pt

Não estando presente à hora marcada o número mínimo de sócios para iniciar a deliberação, a Assembleia Geral reunirá meia hora depois, em segunda convocatória, com os sócios presentes.

Lisboa, vinte e seisde Novembro de dois mil e vinte e dois

O Presidente da Mesa da Assembleia Geral

Clément Fraisse

What would progress look like for the climate justice movement?

Sinan Eden who is working on climate change shares his reflections about  “What would progress look like for the climate justice movement?” , after attending the ” Ecology of Social Movements” course as part of our Erasmus+ project “Accessing Active Citizenship Education for Sustainability”.

Media: https://www.climaximo.pt/2021/10/31/forwards-backwards-sideways-what-would-progress-look-like-for-the-climate-justice-movement-sinan-eden

Projecto Active Citizenship: Manual sobre Resiliência e Justiça Climáticas

No último ano desenvolvemos um projecto de Erasmus+ com o Projecto “Accessing Active Citizenship Education for Sustainability” no âmbito de educação para adultos. Agora podes ter um vislumbre do que se aprendeu nestes cursos com o recente manual “climate justice resilience”. Esta é uma ferramenta disponível a todas as pessoas, em particular educadoras e facilitadoras que queiram aprender novas técnicas!

Grupo de Acção e Intervenção Ambiental