Category Archives: Redes

O GAIA tece e está em contacto com várias redes com as quais colabora de forma regular ou esporádica

Dia 22 de Novembro: Jantar Popular e filme “Para de lá dos Montes”

O coletivo O Bosque e o Gaia Lisboa juntaram-se para oferecer um incrível “jantar popular” seguido da projeção do documentário “Para de lá dos Montes”.

“Para de lá dos montes” é sobre um grupo de jovens artistas de visita à aldeia da Paradela, a norte na região de Trás-os-Montes. Juntos vão aprender a fiar a lã, a tecer, a escolher plantas comestíveis, entre outros hábitos tradicionais.

O filme é em Português com legendas em Inglês.

Ajudar > 18h  Comer > 20h  Filme > 21h
—————
O Coletivo O Bosque foi fundado no início de 2017. Tem como objetivo desenvolver formas alternativas de ligar pessoas, e os seus projetos, com base numa perspetiva ecológica e uma estrutura horizontal no processo de tomada de decisões, e assente na ideia de que os encontros e eventos locais e de pequena escala são o território mais propício à criatividade e mudança social. Criamos comunidade.
Acolhemos e desenvolvemos atividades maioritariamente em torno de uma herdade alentejana perto de Estremoz (Portugal), embora a maioria dos membros do coletivo resida em Lisboa. Esta circunstância ajuda-nos atualmente a fomentar ligações entre o urbano e o rural.
Desde a sua criação, organizámos um workshop de bioconstrução para construir uma plataforma ao ar livre e realizámos os nossos três primeiros retiros de yoga. Em Setembro de 2017, O Bosque recebeu o Movimento, um workshop de cinema colaborativo. Em Janeiro de 2018 começámos a desenvolver a nossa horta de permacultura e o nosso projeto agroflorestal. Em Julho, residiu na herdade o projeto de dança ‘Dança Imaginal’ e o nosso evento ‘Dias Abertos’ em Agosto celebrou o espírito de colaboração do coletivo através da participação ativa e coorganização de todos os presentes. O Coletivo O Bosque realiza, em Lisboa, reuniões quinzenais.
Contacta-nos se sentes que gostarias de participar e saber mais.
—————

O que é o Jantar Popular?

– Um Jantar comunitário vegano, biológico e LIVRE DE OGMs que se realiza no GAIA, Rua da Regueira, n 40, em Alfama.
– Uma iniciativa inteiramente auto-gerida por voluntários.
– Um jantar em que podes colaborar e aprender a cozinhar vegano! Para cozinhar e montar a sala basta aparecer a partir das 18h. Jantar “servido” a partir das 20h.
– Um projecto autónomo e auto-sustentável. As receitas do Jantar Popular representam o fundo de maneio do GAIA que mantém assim a sua autonomia.
– Um jantar onde ninguém fica sem comer por não ter moedas e onde quem ajuda não paga. O preço nunca é mais de 3 pirolitos.
– Um exemplo de consumo responsável, com ingredientes que respeitam o ambiente, a economia local e os animais.

– Uma oportunidade para criar redes, trocar conhecimentos e pensar criticamente.

Convite para participares na formação: Zero Waste; 12 a 19 Outubro 2018

CONVITE PARA PARTICIPANTES

“Zero Waste” é um Intercâmbio de Jovens promovido pela Sunseed Desert Technology para 18 jovens e 3 jovens líderes vindos da Espanha, Itália e Portugal.

O objetivo do projeto é explorar a consciência ambiental e a inclusão social, descobrir como nossos comportamentos individuais podem fazer uma grande mudança em direção a um futuro sustentável e aprender ferramentas para uma melhor integração com o ambiente social e natural.

Haverá atividades teóricas e práticas sobre upcycling, permacultura, conscientização ambiental, economia circular e a filosofia do “desperdício zero”, enquanto os participantes terão a oportunidade de experimentar a vida em uma eco-comunidade sustentável.

 

O QUE SIGNIFICA “ZERO WASTE”?

A filosofia Zero Waste / Desperdício Zero faz parte da economia circular e significa muito mais do que simplesmente eliminar resíduos através da reciclagem e reutilização. Centra-se na reestruturação dos sistemas de produção e distribuição para reduzir o desperdício.

Na definição adotada pela Zero Waste International Alliance, “Zero Waste é uma meta ética, econômica, eficiente e visionária, para orientar as pessoas na mudança de seus estilos de vida e práticas para emular ciclos naturais sustentáveis, onde todos os materiais descartados são projetados para se tornarem recursos para outros usos ”.

 

O QUE PODES OBTER DESTA EXPERIÊNCIA?

– Conhecimento prático sobre como reduzir seu impacto ambiental
– Capacidade de reconhecer ferramentas e recursos já disponíveis para você e usá-los
– Uma chance de refletir sobre degradação ambiental e inclusão social
– Uma rede de pessoas engajadas ambiental e socialmente
– A chance de praticar inglês, descobrir outras culturas e fazer novos amigos

 

ONDE ACONTECERÁ?

O Sunseed é um projeto de educação ambiental e um centro prático prático para uma vida sustentável, situado na Andaluzia, sul da Espanha. É um projeto existente desde 1986, e tem como objetivo ajudar a desenvolver, comunicar e disseminar um modo de vida sustentável e resiliente em nossas condições ambientais, uma região semi-árida e o único deserto da Europa.

Somos uma comunidade auto-gerida e dinâmica de voluntários, vivendo e aprendendo juntos. Usamos o sol como energia, o rio como água, os jardins e a paisagem como alimento e compartilhamos cozinha e limpeza para tornar a comunidade um local confortável. Apoiamos uns aos outros para assumir responsabilidade pessoal pelo nosso impacto no meio ambiente, sentindo-nos fortalecidos no conhecimento de que mudanças realmente podem ser feitas, especialmente como parte de uma equipe forte e focada.

Sunseed está localizado em Los Molinos del Rio Aguas, uma vila fora da rede povoada por uma comunidade internacional que tomou o lugar após o seu declínio no final dos anos 60, devido ao êxodo rural generalizado que afetou o campo europeu na época. O rio que dá nome ao lugar esculpe um vale estreito onde as piscinas naturais abrigam espécies únicas de flora e fauna, um verdadeiro oásis no deserto. O lugar é RURAL E REMOTO, então tens que estar pronto para viver perto da natureza, em uma pequena comunidade distante da cidade. Você vai desfrutar do lugar se você é uma pessoa que gosta de vida ao ar livre e no campo.

8 de Agosto-Jantar Popular e conversa organizados por Climáximo: Block Around the Clock contra fracking

Climáximo esteve no protesto contra o fracking em Lancashire organizado por Reclaim the Power.

A partilha desta experiência será inserida num Jantar Popular onde também queremos partilhar com tod@s @s ativistas esta experiência e os planos de ação para os próximos meses e anos. Vamos também discutir um pouco sobre como #pararofuro e os próximos eventos para Setembro, organizando num Jantar.

Apareçam!

8 de agosto, quarta-feira, 18h00

GAIA-Lisboa: Rua da Regueira 40, Alfama

 

 

 

 

 

 

 

O que é o Jantar Popular?

– Um Jantar comunitário vegano, biológico e LIVRE DE OGMs que se realiza no GAIA, Rua da Regueira, n 40, em Alfama.
– Uma iniciativa inteiramente auto-gerida por voluntários.
– Um jantar em que podes colaborar e aprender a cozinhar vegano! Para cozinhar e montar a sala basta aparecer a partir das 18h. Jantar “servido” a partir das 20h.
– Um projecto autónomo e auto-sustentável. As receitas do Jantar Popular representam o fundo de maneio do GAIA que mantém assim a sua autonomia.
– Um jantar onde ninguém fica sem comer por não ter moedas e onde quem ajuda não paga. O preço nunca é mais de 3 pirolitos.
– Um exemplo de consumo responsável, com ingredientes que respeitam o ambiente, a economia local e os animais.
– Uma oportunidade para criar redes, trocar conhecimentos e pensar criticamente.

6ª feira, dia 15 de Junho, no GAIA: Jantar popular e conversa sobre o Movimento europeu pela justiça climática

Esta 6ª feira o Climáximo organiza no GAIA em Alfama um jantar popular seguido de partilha das novidades vindas do Klimacamp em Viena, onde participaram, e dos planos para o activismo climático na Europa e em Portugal nos próximos meses.

Ajudar > 18h
Comer > 20h
Partilhar > 21h

Mais informação.

Não percam também as nossas “Quintas no GAIA” com Recicleta, Loja Grátis, Sementeca e Posto de Terramoturismo. Todas as 5ª feiras das 19-21h.

O que é o Jantar Popular?
– Um Jantar comunitário vegano, biológico e LIVRE DE OGMs que se realiza no GAIA, Rua da Regueira, n 40, em Alfama.
– Uma iniciativa inteiramente auto-gerida por voluntários.
– Um jantar em que podes colaborar e aprender a cozinhar vegano! Para cozinhar e montar a sala basta aparecer a partir das 18h. Jantar “servido” a partir das 20h.
– Um projecto autónomo e auto-sustentável. As receitas do Jantar Popular representam o fundo de maneio do GAIA que mantém assim a sua autonomia.
– Um jantar onde ninguém fica sem comer por não ter moedas e onde quem ajuda não paga. O preço nunca é mais de 3 pirolitos.
– Um exemplo de consumo responsável, com ingredientes que respeitam o ambiente, a economia local e os animais.
– Uma oportunidade para criar redes, trocar conhecimentos e pensar criticamente.

Jantar Popular do GAIA dia 9 de Maio: Contra a Indiferença e em Defesa do Tejo!

Esta Quarta-feira 9 de Maio vem participar em mais um Jantar Popular dedicado à defesa do rio que nos corre pelas veias e em frente às portas da nossa cidade!

Com presença de representantes da campanha Rios Livres, vamos falar das questões que afligem o Tejo e quem dele depende e do 6º vogar contra a indiferença e em defesa do Tejo, que terá lugar no dia 19 de Maio em Vila Velha de Ródão.

18h> ajudar; 20H>comer; 21h: conversar

Relembramos também que no próximo Domingo é o aniversário da Sementeca do GAIA e que abrimos todas as 5ªs para “Quintas no GAIA” com Posto de Terramoturismo, Recicleta, Sementeca, Loja Livre e convívio!

> O que é o Jantar Popular?
– Um Jantar comunitário vegano, biológico e LIVRE DE OGMs que se realiza no GAIA, Rua da Regueira, n 40, em Alfama.
– Uma iniciativa inteiramente auto-gerida por voluntários.
– Um jantar em que podes colaborar e aprender a cozinhar vegano! Para cozinhar e montar a sala basta aparecer a partir das 18h. Jantar “servido” a partir das 20h.
– Um projecto autónomo e auto-sustentável. As receitas do Jantar Popular representam o fundo de maneio do GAIA que mantém assim a sua autonomia.
– Um jantar onde ninguém fica sem comer por não ter moedas e onde quem ajuda não paga. O preço nunca é mais de 3 pirolitos.
– Um exemplo de consumo responsável, com ingredientes que respeitam o ambiente, a economia local e os animais.
– Uma oportunidade para criar redes, trocar conhecimentos e pensar criticamente.

COMUNICADO: REPÚDIO DOS DESPEJOS NO BAIRRO 6 DE MAIO – Ocupação do ministério do Ambiente

Lisboa, 9 de Abril de 2018

As demolições realizadas no Bairro 6 de Maio, na Amadora, no passado dia 3 de Abril, sem aviso prévio e sem qualquer alternativa de habitação, deixando pelo menos duas famílias sem casa, exige decisões e clarificações por parte da Câmara Municipal da Amadora, mas também da Secretaria de Estado da Habitação e do IHRU. Os atropelos aos direitos humanos e à constituição não podem continuar sem que nenhuma medida seja tomada por parte destas entidades responsáveis.

Assim, a Comissão de Moradores do Bairro 6 de Maio, juntamente com a associação Habita e outros coletivos, vêm apresentar os seguintes comentários e propostas para que se trave de uma vez por todas as demolições e despejos forçados, sem qualquer solução alternativa digna para as famílias. 

1- A Câmara Municipal da Amadora tinha-se comprometido, juntamente com o governo central e a pedido da Assembleia da República, a parar com demolições e despejos sem soluções dignas e adequadas para as famílias.

2 – A Comissão de Moradores do Bairro 6 de Maio e a Associação Habita empenharam-se no levantamento das famílias que já tinham sido despejadas ou estão em perigo de o ser e necessitam de uma solução. Ainda assim, alertou-se para o facto de poderem não ter sido identificadas todas as situações por falta de meios. Esta lista foi transmitida à autarquia.

3 – No passado dia 3 de Abril, quando as demolições avançaram, a Comissão de Moradores e as associações presentes informaram imediatamente a Câmara Municipal e a Secretaria de Estado da Habitação que havia situações que não estavam a ser acauteladas e que era necessário interromper o processo. No entanto, as demolições avançaram e, pelo menos duas famílias, ficaram e permanecem desde então na rua sem qualquer solução.

4 – O IHRU e a Câmara Municipal da Amadora comprometeram-se, através de um protocolo, a trabalhar em conjunto na solução para as famílias do Bairro 6 de Maio que estão fora da lista do Programa Especial de Realojamento.

5 – Como se comprovou a semana passada, a ausência de participação da Comissão de Bairro e das associações que a acompanham no processo de demolição e de realojamento deixou novamente pessoas na rua.

6 – Sendo cada vez maior o número de pessoas na rua sem solução, face ao desinteresse da Câmara Municipal da Amadora na resolução destes casos e à incapacidade de resposta adequada por parte da Segurança Social (pagar um mês de caução e um mês de renda), o governo central tem que garantir a defesa do Direito à Habitação.
7 – As pessoas despejadas não receberam nos últimos dias nenhuma proposta de solução e foram empurradas para uma situação de sem abrigo, sendo discriminadas em relação a outras que têm direito à habitação.

8 – É imperativo implementar soluções de emergência que salvaguardem a dignidade das pessoas desalojadas e integrá-las na lista dos agregados a realojar.

9 – Para que situações destas não voltem a acontecer e para que se garanta que todas as pessoas têm os mesmo direitos e serão realojadas no âmbito do protocolo anteriormente referido, vimos propor que o processo de demolição e realojamento seja acompanhado pela Comissão de Moradores do bairro e/ou pelas associações  que a apoiam, para que haja uma participação efetiva de todos, diálogo e transparência neste processo.

Hoje vamos estar no Ministério do Ambiente em ação por estas reivindicações, em defesa do Direito à Habitação.

Contactos:

Rita Silva – 916419605 (Associação Habita)

Cátia Silva – 960008757 (Comissão de Moradores Bairro 6 de Maio)

Plataforma Stop Despejos

A plataforma STOP DESPEJOS existe para:

>> Parar os despejos.

>> Defender o direito à habitação.

>> Defender o direito das pessoas a permanecerem nos seus bairros.

Se estiver para ser despejado/a da sua casa, ou conhece alguém que esteja,

saiba que:

  • Não deve abandonar a casa, nem assinar nada do senhorio.
  • Não deve deixar passar prazos de resposta: normalmente tem dez dias úteis para responder, não responda sem aconselhamento.
  • Há quem tenha lutado contra os despejos com sucesso, por isso não desista! Junte-se a outros e outras que já tenham passado pelo mesmo!
  • Deve rapidamente pedir informação a organizações que lutam contra os despejos e que não se conformam.
Se vai ser despejado ou é contra os despejos, venha ter connosco:
Contacto STOP DESPEJOS: 920067403

Habita
facebook.com/habita.colectivo
Terças-feiras: 18h-20h
Rua dos Anjos 12F, Anjos – Lisboa

Rede Solidariedade
RedeSolidariedadeGeral@gmail.com
facebook.com/redesolida
Sábados à tarde: Padaria do Povo
R.Luís Derouet 20A, Campo Ourique-Lisboa

Comissão Moradores Rua Dos Lagares
facebook.com/coracaoalfacinha
coracaoalfacinha@gmail.com

GAIA – Associação Ecologista
lisboa@gaia.org.pt | Rua da Regueira nº 40, Alfama
5as Feiras: Posto de Terramoturismo

Videos das lutas das pessoas em risco de despejo

 

Jantar Popular 23 de Março: GAIA faz anos e celebra a Primavera unindo Campo e Cidade!

GAIA faz 22 anos! Para marcar essa data e dar continuidade a um trabalho construído ao longo dos anos nos vários nucleos do GAIA, vamos juntar amiguis da cidade e do campo, pessoas e grupos empenhados em criar sinergias e relações de apoio mútuo entre os mundos rurais e urbanos.

Começaremos no fim da tarde com vários convidadis a apresentar a sua forma de agir entre campo e cidade num Jornal Local Vivo. Seguiremos depois com um jantar confeccionado a partir dos ingredientes trazidos por alguns dos produtores presentes, para concluir com uma conversa sobre como poderemos em conjunto aprofundar as sinergias campo-cidade.

Programa da tarde / noite:

15h00 – Descarga e entrega de produtos da ReCo no GAIA
17h00 – Preparação do jantar (mãos bem-vindas!)
18h30 – Jornal Local “Sinergia Campo-Cidade” (Apresentações breves dos produtores)
20h00 – Jantar Popular com ingredientes dos produtores locais
21h30 – Conversa sobre a organização de iniciativas de proximidade
campo-cidade

E ainda, durante a tarde: Loja Grátis na rua, convívio e acolhimento dos produtores!

Organização: ReCO, Núcleos do GAIA Lisboa e Alentejo.

>> O que é o Jantar Popular?
– Um Jantar comunitário vegano, biológico e LIVRE DE OGMs que se realiza no GAIA, Rua da Regueira, n 40, em Alfama.
– Uma iniciativa inteiramente auto-gerida por voluntários.
– Um jantar em que podes colaborar e aprender a cozinhar vegano! Para cozinhar e montar a sala basta aparecer a partir das 18h. Jantar “servido” a partir das 20h.
– Um projecto autónomo e auto-sustentável. As receitas do Jantar Popular representam o fundo de maneio do GAIA que mantém assim a sua autonomia.
– Um jantar onde ninguém fica sem comer por não ter moedas e onde quem ajuda não paga. O preço nunca é mais de 3 pirolitos.
– Um exemplo de consumo responsável, com ingredientes que respeitam o ambiente, a economia local e os animais.
– Uma oportunidade para criar redes, trocar conhecimentos e pensar criticamente.

3º Encontro Nacional pela Justiça Climática – 11 Fev na FCUL

Comunicado do encontro: Encontro pela Justiça Climática em Lisboa garante luta feroz contra furos de petróleo em Portugal

O furo de prospeção de petróleo e gás em Aljezur caducou, mas a GALP disse que ia perfurar na primavera. Estão a chegar os furos na Zona Oeste e na Batalha/Pombal, mas há um silêncio enorme sobre eles.

A Europa tem de fechar todas as suas centrais de carvão até 2031 para cumprir os seus próprios compromissos (que são só metade do que é necessário para evitar o caos climático), mas Portugal continua a subsidiar a EDP e estendeu o prazo das centrais de carvão de Sines e do Pego até 2030.

Recentemente, o governo assinou um acordo com Espanha para aumentar a capacidade do Porto de Sines e para construir 160 km de novos gasodutos, para receber gás de fracking dos EUA, mas o primeiro-ministro António Costa continua a dizer que o país será carbono neutro em 2050.

Desde Pedrogão Grande até aos furacões nas Caraíbas, a crise climática está a fortalecer-se. Por todo o mundo, as comunidades indígenas, o/as trabalhadore/as e jovens estão levantar-se para contrariar as injustiças sociais e climáticas.

Vivemos num período muito especial. As nossas sociedades estão a fazer escolhas decisivas para as décadas que virão. Existem ainda muitas incertezas na nossa história coletiva, e é exatamente por isso que vale pena lutarmos agora!

Para ganhar, precisamos de toda a gente, e precisamos de conversar e convergir. Os Encontros Nacionais pela Justiça Climática são momentos-chave neste processo.

Página do Encontro

Morar Em Lisboa – Carta Aberta

AO GOVERNO, AOS DEPUTADOS, AO MUNICÍPIO, AOS CIDADÃOS!

É cada vez mais difícil morar em Lisboa. Ao longo dos últimos anos assistimos a uma alteração profunda das dinâmicas habitacionais nas áreas metropolitanas do país. Uma drástica subida dos valores do arrendamento de habitação que tem levado à expulsão de população das áreas mais centrais da cidade, em conjunção com uma queda abrupta da oferta e com um aumento exponencial dos valores para aquisição de casa própria, tornaram o acesso à habitação em Lisboa privilégio de poucos e direito praticamente inacessível às famílias portuguesas.

Nos últimos três/quatro anos, os preços da habitação para arrendamento aumentaram entre 13% e 36%, e para aquisição subiram até 46%, consoante as zonas da cidade, de que resulta, estima-se, uma taxa de esforço com a habitação situada entre 40% e 60% do rendimento familiar, quando os padrões comuns aconselham uma taxa de esforço até 30%.

Os Signatários, reunidos nesta Carta Aberta expressam a sua profunda preocupação com esta situação, fruto do processo de gentrificação, associado e acelerado pelo pico de projeção internacional e por uma grande intensificação do turismo e do alojamento para fins turísticos que Lisboa atravessa, com a consequente pressão e especulação fundiária e imobiliária.

Consideram que para este processo tem contribuído decisivamente a intervenção do Estado, pelo desenho e uso de instrumentos legais e financeiros destinados ao apoio do investimento privado no mercado imobiliário, em particular a “Lei do Arrendamento”, a “Lei dos Residentes Não Habituais” e dos “Visa Gold”.

O Novo Regime de Arrendamento, promulgado em 2012, imposto pela Troika e subordinado aos interesses da propriedade, veio liberalizar ainda mais o arrendamento, aumentar o poder dos senhorios, atualizar excessivamente as rendas e facilitar os despejos, levando à expulsão de muitos habitantes e ao encerramento de atividades económicas, sociais e culturais.

O “Regime Fiscal para Residentes Não Habituais” e o “Golden Visa Portugal” (Visto de Residência para os chamados Investidores) por sua vez, contribuíram significativamente para a intensificação da especulação imobiliária. O primeiro é destinado a cidadãos europeus comunitários com capacidade económica elevada. O segundo é destinado a cidadãos de outros países e autoriza-lhes residência para exercerem atividades de investimento, nomeadamente a transferência de capitais, criação de emprego e compra de imóveis. Em ambos os casos beneficia os cidadãos estrangeiros com grandes reduções e mesmo isenções de impostos, introduzindo desigualdade entre estes beneficiados pelas promoções e saldos fiscais e os residentes permanentes, portugueses ou estrangeiros, que não têm quaisquer benefícios fiscais.

Esta subida dos preços da habitação tem ocorrido em quase todo o país. Tal facto já alarmou o Fundo Monetário Internacional que alertou para o risco de nova bolha imobiliária e para mais endividamento público e privado. Sabemos que a Organização das Nações Unidas considera a habitação uma urgência global na luta contra as desigualdades e lançou a Nova Agenda Urbana. A função social da habitação e o direito à habitação, previsto na Constituição e na Lei são, para nós, questões da maior premência.

A nível da cidade de Lisboa a manter-se a oferta insuficiente e a excessiva subida nos preços na habitação – exponenciada no centro histórico e a alastrar por toda a cidade – continuaremos a assistir à perda de população, ao despovoamento, ao decréscimo dos jovens, ao fenecimento de múltiplas comunidades que dão cor e vida à cidade. A prática que está a ser seguida pelo Governo e pelo Município mostra-se contraditória, e mesmo inversa ao discurso oficial, porque não é concordante com as necessidades de uma cidade capital, que se pretende habitada, plural e diversificada, uma cidade para ser vivida por todos e não apenas aceleradamente consumida por alguns.

Os Signatários, reunidos nesta Carta Aberta, expressam a sua profunda preocupação com a atual política habitacional que está a aprofundar as desigualdades socio-territoriais, a expulsar um grande número de famílias para as periferias e a tornar o acesso à habitação nas áreas centrais das cidades um privilégio dos mais ricos, a gerar desequilíbrios urbanos e a potenciar conflitos sociais, que é negativa para o desenvolvimento económico por ser excessivamente dependente da especulação imobiliária e do turismo.

Reconhecemos e não questionamos a importância e o interesse estratégico da Indústria do Turismo para a economia do país e da cidade. Sublinhamos que a atividade turística não pode decorrer de uma situação meramente conjuntural, devendo ser planeada sob uma visão sustentável e integrada. Entendemos que o risco de uma carga turística desregrada, intensa e tendencialmente excessiva, e a exploração intensiva e não planeada de um território, são geradores de insustentabilidade e, a curto prazo, podem mesmo revelar-se destruidores.

Consideramos inadiável que se regre, se controle e se equilibre o uso temporário e de curto prazo da habitação para efeitos turísticos e se apoie e se dinamize o alojamento permanente.

Fazemos notar que noutras cidades, na Europa, nos Estados Unidos e no Canadá, se vivem situações idênticas mas onde os respectivos governantes tomaram já medidas diversas em defesa da vida das cidades e dos cidadãos.

Os Signatários consideram indispensável a adoção urgente de uma política nacional e municipal de habitação que favoreça e dinamize o arrendamento, público e privado, com direitos e deveres, com segurança e estabilidade, incentive a colocação no mercado de propriedades devolutas (incluindo o património do Estado e dos Municípios), estabeleça parcerias diversas com os setores privado e social, crie mecanismos de controlo das rendas através de uma política fiscal adequada tendo em conta a função social do arrendamento e dificulte e impeça os despejos sem assegurar o realojamento dos residentes.

Entendemos que é necessária uma nova política de habitação e de ordenamento do território, uma Lei de Bases da Habitação, uma política fiscal diferenciadora dos vários usos da habitação.

Declaramo-nos empenhados na intervenção cívica, na discussão e elaboração de propostas com vista a uma política pública transparente e colaborativa, acompanhada e participada pelos cidadãos, e a criar uma plataforma com vista a juntar vontades, ideias e dinâmicas.

Consideramos urgente lançar um outro paradigma de desenvolvimento de Lisboa como um território partilhado, socialmente diversificado, dando prioridade ao equilíbrio económico e social, à igualdade e coesão, ao acesso à habitação, à multiplicidade de usos, ao espaço público, à mobilidade, à conservação do património, à promoção da cultura e do desporto, à convivência cívica e à participação cidadã.

Consideramos urgente e imprescindível colocar e manter na primeira linha da agenda política nacional o tema da HABITAÇÃO.
Gentrificação: Processo de valorização imobiliária de uma zona urbana, geralmente acompanhada da deslocação dos residentes com menor poder económico para outro local e da entrada de residentes com maior poder económico.

Janeiro de 2017

 

Os signatários

ORGANIZAÇÕES
Academia Cidadã
ACCL – Associação das Colectividades do Concelho de Lisboa
AIL – Associação dos Inquilinos Lisbonenses, CRL
AMBA – Associação de Moradores do Bairro Alto
APPA – Associação do Património e da População de Alfama
APRUPP – Associação Portuguesa para a Reabilitação Urbana e Defesa do Património
Artéria – Humanizing Arquitecture
Associação Habita – pelo Direito à Habitação e à Cidade
Associação Renovar a Mouraria
Atelier Mob – Arquitectura Design e Urbanismo, Lda.
BADL – Bairros Associação de Desenvolvimento Local
Cooperativa Trabalhar com os 99%, Crl
FAZ – Fundo de Arquitectura Social
FrameColectivo
GAIA – Grupo de Acção e Intervenção Ambiental
GEOTA – Grupo de Estudos de Ordenamento do Território e Ambiente
GESTUAL – Grupo de Estudos Sócio-Territoriais, Urbanos e de Acão Local da Faculdade de Arquitectura da Universidade de Lisboa
Largo Residências
LeftHandRotation
Lusitano Clube
Movimento “Quem vai poder Morar em Lisboa”
Pátio Ambulante
Sociedade Boa União