All posts by gaia

Iniciativa cidadã pela proibição do uso de glifosato na Europa

2017/02/08 _ Começa hoje a recolha de 1 milhão de assinaturas

Hoje dezenas de organizações não governamentais de toda a União Europeia, incluindo várias portuguesas, como GAIA, iniciaram a mobilização de cidadãos para banir o glifosato – mais conhecido como o herbicida Roundup da Monsanto.

Em Portugal registam-se os níveis de contaminação humana mais elevados de toda a União Europeia, mais de um ano após a Organização Mundial de Saúde ter classificado este herbicida como “carcinogénio provável para o ser humano e carcinogénio provado para animais de laboratório”. Por isso todos os portugueses têm particular interesse em aderir a esta acção.

Além da proibição dos herbicidas à base de glifosato, a iniciativa de cidadania agora desencadeada pressiona a Comissão Europeia para dois objetivos adicionais: garantir a transparência e independência nos processos de (re)autorização de pesticidas e impor prazos obrigatórios para a redução progressiva do uso de todos os pesticidas.

Segundo o Eng. Jorge Ferreira, da Plataforma Transgénicos Fora, “O glifosato aparece em todo o lado: na água, nos alimentos, nas pessoas, até na chuva e no leite materno. As substâncias carcinogénicas não têm limiar de segurança pelo que a proteção da saúde exige a proibição total, tal como já aconteceu com inúmeros pesticidas no passado.”

Esta Iniciativa de Cidadania Europeia, criada legalmente no âmbito do Tratado de Lisboa, tem até 25 de janeiro de 2018 para recolher um milhão de assinaturas, com valores mínimos obrigatórios atingidos em pelo menos sete Estados Membros (em Portugal o mínimo é de 15750 assinaturas válidas). No entanto, como a Comissão Europeia pretende tomar uma decisão final sobre o glifosato até ao final de 2017, a recolha de assinaturas deverá terminar até ao verão. As Iniciativas de Cidadania obrigam a Comissão Europeia a propor legislação sobre a matéria em causa, embora não possam forçar o resultado final desse processo.

Os interessados podem assinar na página da coordenação europeia: https://sign.stopglyphosate.org/?lang=pt

ENQUADRAMENTO E INFORMAÇÃO ADICIONAL

O glifosato é o herbicida mais usado em Portugal (e em todo o mundo), sendo aplicado amplamente na agricultura e em áreas urbanas, mesmo nas mais sensíveis – como ruas e calçadas, parques públicos e espaços de escolas e hospitais. Também é vendido livremente para uso não profissional (em hortas e jardins privados). A sua aprovação baseou-se em estudos de toxicidade secretos e controversos, produzidos pela própria indústria e com duração insuficiente para avaliar devidamente o risco de cancro e disrupção endócrina, entre outros.

Em março de 2015 a Agência Internacional para a Investigação do Cancro da Organização Mundial de Saúde, autoridade mundial na matéria, classificou o glifosato como «carcinogénico provado para animais de laboratório» e «carcinogénico provável para o ser humano». Esta conclusão foi baseada numa revisão de cerca de 1.000 estudos publicados em revistas científicas e independentes dos interesses comerciais.

De acordo com a Ordem dos Médicos, através do seu Bastonário, existem atualmente múltiplas evidências de que o glifosato é fator de risco para doença celíaca, infertilidade, malformações congénitas, doença renal, autismo e outras patologias. A situação é de tal modo grave do ponto de vista da saúde pública que a Assembleia Geral da Associação Médica Alemã em 2016 aprovou um pedido formal para que o glifosato não seja reautorizado, nem na Alemanha nem na União Europeia.

A Comissão Europeia pretende renovar a autorização de venda do glifosato mas não tem tido apoio político para tal, pelo que optou por prolongá-la apenas até ao final de 2017 enquanto se aguarda o parecer científico da Agência Europeia da Química (ECHA). No entanto a ECHA apenas está a analisar o potencial cancerígeno do glifosato – o seu potencial para desregulação endócrina vai continuar por definir, o que significa uma enorme falha na avaliação do real impacto deste químico e uma razão adicional para o proibir.

A autoridade fitossanitária nacional (a Direção Geral de Alimentação e Veterinária do Ministério da Agricultura) proibiu recentemente os herbicidas à base de glifosato que contenham também uma outra substância particularmente tóxica (a taloamina) e anunciou a proibição de aplicação do glifosato em espaços públicos mais sensíveis. São medidas positivas mas que ficam ainda muito aquém do necessário para garantir a segurança dos portugueses.

A situação em Portugal é particularmente grave. Em 2014 aplicaram-se no país mais de 1.600 toneladas de glifosato e este consumo, que mais que duplicou entre 2002 e 2012, continua a aumentar de acordo com os dados oficiais. A sua utilização abrange a agricultura como também, e em grande escala, os espaços públicos, mesmo em períodos de chuva onde a probabilidade de arrastamento para os cursos de água (e captações para consumo humano) aumenta significativamente.

Há mais de dez anos que em Portugal não é feita qualquer análise oficial à presença do glifosato em alimentos, solo, água, ar ou pessoas. Este vazio, inédito a nível europeu, foi preenchido parcialmente em 2016 com análises realizadas pela Plataforma Transgénicos Fora em colaboração com a iniciativa internacional Detox Project que evidenciaram níveis inesperadamente elevados deste contaminante na urina de todas as pessoas analisadas. Os portugueses testados apresentaram, em média, vinte vezes mais glifosato do que os seus homólogos alemães.

Face à gravidade e à atualidade do problema, dezenas de organizações não governamentais europeias vão agora levar a pressão pública à Comissão Europeia através da Iniciativa de Cidadania. Os dias do glifosato estão contados porque a consciência coletiva dos europeus está a acordar e a opção vai esmagadoramente no sentido de uma agricultura realmente sustentável, amiga dos pequenos produtores, que contribua para um ambiente limpo e produza alimentos saudáveis para todos.

Comunicado redigido e publicado originalmente por Plataforma Transgénicos Fora!

CETA check out!

Do TTIP ja deves ter ouvido falar, mas o CETA é um tratado da mesma laia que vai muito mais avançado, à beira de ser aprovado.
Este péssimo tratado põe em causa, entre outras coisas, o acesso a cultivar sementes enquanto facilitará que as multinacionais consigam patentes de sementes, e impedirá (se deixarmos) qualquer possibilidade de economias locais e comércio justo, bem como a preservação de recursos naturaise paisagens protegidas, em Portugal e na Europa, das garras do lucro das big corps internacionais, que (não) passarão a poder processar pessoas e estados por as impedirem de lucrar com destruição ambiental alheia.
O CETA está em vias de ser aprovado em Fevereiro no parlamento europeu, e se isso vier a acontecer, nada de bom augura para o nosso futuro comum. Massa crítica precisa-se!
aqui 10 razões contra o CETA

Se o CETA for aprovado, os países periféricos e do sul ficarão sob uma enorme pressão para aplicar os padrões desse tratado para não perderem oportunidades comerciais. Os lobbies corporativos não escondem o seu objectivo de criar convergências globais baseados nos padrões euro-americanos. Isto forçará a adopção de políticas de livre-comércio por parte de países mais pobres que nem sequer participaram nas negociações.
 Faz o CETA check!
https://www.nao-ao-ttip.pt/ceta-check/

Não à patente da cevada e da cerveja

 A empresa de cervejas Carlsberg está a tentar reclamar a patente da cevada e a cerveja como sua invenção!

A cevada é um cereal muito antigo, cultivado há milhares de anos por agricultores, e a cerveja é uma bebida ancestral, claramente não inventada por esta empresa. Abaixo em inglês toda a informação sobre este caso a exigir acção cidadã. Assina a carta aberta disponível na ligação no final Carlsberg claims barley and beer as its invention 17 November 2016 / In 2016, the European Patent Office (EPO) granted three patents to the Danish brewery, Carlsberg. The patents cover barley plants derived from conventional breeding, their usage in brewing as well as the beer brewed thereof. In a joint letter, several civil society organisations are now calling on Carlsberg to drop these patents. They consider the patents to be an abuse of patent law and in conflict with the interests of consumers. “There should be no patents on beer and barley. Breeding plants and brewing beer are not inventions, but based on centuries-old tradition,” says Erling Frederiksen from Friends of the Earth in Denmark (NOAH). “Carlsberg should make it clear that they just want to produce good beer and are not acting against the interests of citizens and consumers. We do not want corporate control of our food or patent monopolies. No matter whether they are held by Monsanto, Bayer or Carlsberg.” The letter to Carlsberg is supported by: Arbeitsgemeinschaft bäuerliche Landwirtschaft, AbL (Germany), Arche Noah (Austria), BioAustria (Austria), Bund für Umwelt und Naturschutz, BUND, Friends of the Earth (Germany), Frøsamlerne/Danish Seed Savers (Denmark), Die Freien Bäcker (Germany), GAIA – Environmental Action and Intervention Group (Portugal), GeneWatch UK (Great Britain), Gesellschaft für ökologische Forschung (Germany), IG Saatgut (Germany), IG Nachbau (Germany), NOAH – Friends of the Earth (Denmark), No Patents on Life! (Germany), Plataforma Transgénicos Fora, PTF (Portugal), PublicEye (Switzerland), ProSpecieRara (Switzerland), Pro Regenwald (Germany), Safe our Seeds, SOS (Germany), Sambucus (Germany), SWISSAID (Switzerland), Umweltinstitut München (Germany), Utviklingsfondet / The Development Fund (Norway), Verband Katholisches Landvolk e.V. (Germany), WeMove (EU), Zivilcourage Miesbach (Germany). Two of the three patents granted by the EPO (EP2384110 and EP2373154) are based on random mutations in the genome of the barley. The kernels from these plants are supposedly more suitable for brewing beer. The third patent (EP2575433) just covers a combination of the characteristics of these barley plants created by further breeding. Each of the three patents covers the plants, the harvest, the process for brewing, malt and wort and all drinks produced by this method. European patent law prohibits patents on plant varieties and conventional breeding. However, the EPO, which benefits financially from examination and granting of patents, has rendered these prohibitions meaningless. The European Parliament as well as several European governments have called upon the EPO to stop granting such patents. However, the EPO has yet to respond. At the beginning of November, the EU Commission issued a legal explanation backing the position of the EU Parliament. And at the end of November, the EU Member States will discuss the issue at a meeting of the Competition Council in Brussels. “As long as the problem is not solved through political decision-making, we expect Carlsberg to take responsibility and withdraw these patents. This is a matter of principle. Carlsberg is claiming that they want to use the barley to save energy and make a contribution to stopping climate change. But if this is their real intention then Carlsberg should not be trying to create patent monopolies on food plants. If we want to save the climate, we have to share our resources as much as we can,” says Iga Niznik for Arche Noah, Austria.

Assina a petição contra a patente da cevada e da cerveja e envia a carta aberta para evitar esta vergonhosa biopirataria!

Não às patentes sobre sementes

De plantas usadas ancestralmente por comunidades indígenas, ao pimento, ao tomate, ao bróculo e até à cevada usada para fazer cerveja, muitas são as plantas que as grandes corporações tentam agarrar,  patenteando no fundo vida que não é de ninguém, mas que deve ter um direito soberano a existir livre neste planeta que não queremos corporativo.

Liberdade para as sementes, e todos os seres vivos (que também já patentes sobre animais) – Por aqui continuamos a lutar pela liberdade das sementes, dizendo um redondo NÃO às patentes sobre as sementes!

+ info:

Campanha pelas Sementes Livres
https://gaia.org.pt/campanha-pelas-sementes-livres/
Stop patents on plants and animals!
http://no-patents-on-seeds.org/

 

Assembleias Populares para o Futuro da Nossa Comida & O Futuro do Nosso Planeta – 02-16 outubro – Em todo o mundo.

Este ano, durante a Convocatória para a Acção pela Liberdade das Sementes 2016, Navdanya irá co-organizar um Tribunal Monsanto, bem como uma Assembleia Popular em Haia. Convidamos-te a organizar também Assembleias Populares, onde quer que estejas, para recuperar o nosso sistema alimentar – O nosso pão e a nossa liberdade.


Para ver as legendas clique na roda da barra de controlo e selecione o seu idioma.

Translation kindly provided by Isabela S. de Castro and Campanha pelas Sementes Livres (GAIA)

 

Assembleias Populares para o Futuro da Nossa Comida & O Futuro do Nosso Planeta –
02-16 outubro – Em todo o mundo.

Enfrentamos um colapso social, económico e ecológico em todos os cantos do mundo. A Agricultura Industrial de larga escala é um dos principais responsáveis deste colapso

Destruindo 75% do nosso solo, água e biodiversidade e contribuindo em 50% para as mudanças climáticas, este modelo, que tem as suas raízes na guerra, produz apenas 30% dos alimentos.

Os reais produtores de alimentos são os nossos polinizadores, organismos do solo e biodiversidade e pequenos agricultores que – como co-criadores e co-produtores com a natureza – fornecem 70% dos alimentos que são nutritivos para o planeta e para as pessoas.

A Monsanto emergiu como a maior força destrutiva na agricultura nos últimos 20 anos usando mitos de OGM, patentes, comércio livre e tóxicos para monopolizar as nossas sementes e envenenar a nossa comida.

Este ano, durante a Convocatória para a Acção pela Liberdade das Sementes de 2 outubro – 16 outubro 2016, Navdanya irá co-organizar um Tribunal Monsanto, bem como uma Assembleia Popular em Haia, de 14 a 16 de outubro.

Convidamos-te a organizar também Assembleias Populares, onde quer que estejas, para recuperar o nosso sistema alimentar – O nosso pão e a nossa liberdade.


ÍNDICE: Datas importantesOrientações para as Assembleias PopularesDia Mundial da Alimentação


Seis perguntas a MonsantoA Guerra corporativa contra o Planeta, as Pessoas e a Democracia [Inglês] – Tribunal Monstanto e Assembleia Popular em Haia [Inglês]


Datas importantes

15-16 de outubro – Haia, Holanda: Tribunal Internacional Monsanto

14-16 outubro – Haia, Holanda: Assembleia Popular para o Futuro da nossa Comida e o Futuro do nosso Planeta [Inglês].

02-16 outubro –No mundo todo: Assembleias Populares locais pelo Futuro da nossa Comida e o Futuro do nosso Planeta.

16 de outubro: Dia Mundial da Alimentação – No mundo todo: Protestos e Marchas contra a Monsanto [Inglês].


Assembleias Populares locais – 02-16 outubro – Orientações

Assembléias Populares pelo Futuro da Nossa Comida e Futuro do Nosso Planeta são eventos auto-organizados que visam colocar as corporações criminosas que ameaçam a saúde do nosso planeta sob um julgamento público. Em qualquer nível; nas comunidades, vilas, cidades, regiões e países, as pessoas estão a fazer um balanço dos danos causados pela Monsanto e outras corporações semelhantes, ao nosso meio ambiente, saúde pública, independência e regulamentação científica e à nossa liberdade e democracia. Assembleias Populares também visam delinear uma visão colectiva e um planeamento participativo a nível local para o futuro que queremos e estamos a modelar livres de OGM, venenos, combustíveis fósseis, patentes, “livre comércio”, livre de controlo corporativo.

Forme um grupo de voluntários de diferentes movimentos, tais como: guardiões de sementes, jardineiros, agricultores, mães, cozinheiros, escolas, autoridades locais, médicos, advogados, cidadãos, etc … Encontra um espaço público (jardim, quinta, câmara municipal, praça pública, local de encontro da comunidade, pátio de igreja, escola, faculdade ou universidade), onde possas organizar a tua Assembleia Popular entre 2-16 de Outubro e convidar todos os amigos e familiares, todos os movimentos e instituições a participar.

O formato é variável, pode ser um festival de comida com uma refeição / piquenique orgânico e / ou um festival para troca de sementes e um compromisso de não aceitar as patentes sobre as sementes.

Os dois aspectos que devem ser abordados são:

1. Identificar os danos que a Monsanto tenha feito em sua comunidade local e região. O papel da Monsanto e de seus produtos em sua área – Roundup, OGM, patentes e royalties, contaminação genética, ataque a cientistas, corrupção de funcionários e representantes eleitos, desmontagem e desregulamentação de leis de segurança e os direitos dos agricultores às sementes. Realiza um julgamento público dos criminosos corporativos que estão destruindo nossa espécie, a biodiversidade, a nossa saúde, a saúde das nossas crianças, nossa democracia.

2. Identifica as iniciativas na tua área em que as pessoas estejam envolvidas para criar comunidades locais e sistemas de alimentos livres de veneno, livres de OGM, livres de patentes, livres de combustível fóssil, livres de controlo corporativo, incluindo iniciativas de bancos de sementes, agricultura orgânica, hortas urbanas e escolares, mercados de agricultores locais, CSAs (Comunidades que Sustentam a Agricultura), grupos de compras éticas, etc …

Mapear a visão que tens para um futuro livre de OGM, livre de químicos, bem como uma visão para a o Seed Freedom (sementes livres) e Freedom Food (alimento livre) para 2020 e um plano de transição de como chegar lá. Se desejares, forma grupos de discussão, desenhos, placas de visão e obras de arte..

Cria uma aliança popular para continuar o processo democrático para impedir os criminosos de guerra nos nossos sistemas alimentares e criar um sistema alimentar não violento, saudável e abundante. Semeia as sementes da Vida, Semeia as sementes da Liberdade..

Como partilhar o teu evento

1. Anúncio

Adiciona as tuas próximas Assembleias Populares, , ações & eventos ao Calendário do Seed Freedom, com data / s, uma breve descrição, uma imagem de tua escolha e links disponíveis (o teu site, redes sociais, etc …).
Preencha o formulário [Widget do Google Tradutor disponível]: http://seedfreedom.info/events/submit-your-event/

– Para Eventos perto de ti, visite: http://seedfreedom.info/events/

2. Resultados

Envia-nos as conclusões e resoluções por escrito e vídeos e / ou fotos de tuas Assembleias Populares locais sobre o Futuro da nossa Comida, Futuro do nosso Planeta. Email: submit [@] peoplesassembly.net

No dia 16 de outubro, na conclusão da Assembléia Popular em Haia, organizado como parte do Tribunal do povo, tua determinação, fotos e vídeos serão integrados com todos os outros para uma visão Planetária sobre o Futuro da Nossa Comida, uma visão crescente dos movimentos populares, de uma forma auto-organizada, em contraste ao projeto tóxico da Monsanto e outros fabricantes de veneno que impõe o seu modelo de agricultura baseado em agrotóxicos, transgênicos, patentes de sementes e destruição da democracia.

Se estás a organizar um protesto Monsanto no dia 16 de outubro, leia sua visão no comício, partilhem a comida, o pão juntos, troquem sementes. Nosso Pão é a nossa Liberdade.


Dia Mundial da Alimentação – 16 de outubro

Este Dia Mundial da Alimentação permite-nos fazer uma escolha pelas Sementes Livres e Comida Livre. (Seed Freedom e Food Freedom), vamos fazer um compromisso para nos libertarmos da propaganda corporativa que nos aprisiona.
Façamos da Terra e da Biodiversidade o nosso guia para semear o futuro com base no Seed Freedom e Food Freedom. (Sementes livres e Alimento Livre)

O Prémio Corporativo Mundial de Alimentos de 2016 dado no Dia Mundial da Alimentação foi anunciado para “Biofortificação”.

Os cientistas corporativos financiados por Gates ganharam o Prémio por ter inventado uma batata doce laranja. Mas os Maori da Nova Zelândia tinham desenvolvido Kumara, batata doce laranja (Beauregard) há séculos. Gates também está a financiar a pesquisa de biopirataria do Dr. Dale de Queensland, que utilizou uma banana indígena  da Micronésia rica em vitamina A e declarou que a banana foi  invenção de engenharia genética. Biopirataria de Biodiversidade das pessoas e conhecimento indígena não é ciência ou inovação. 107 vencedores do Prémio Nobel (incluindo um morto) tiveram que ser mobilizados para apoiar o fracassado “arroz dourado” e continuar a empurrar OGMs. E até mesmo o Bt e HT OGM falharam no controlo de pragas e ervas daninhas e, ao contrário, criaram super pragas e super ervas daninhas. Poderosos do Dinheiro e da indústria de Biotecnologia, estão eles mesmos a tentar libertar tecnologias de exterminação como edição de genes e unidades (drives) de genes.

Extermínio é um crime contra a natureza e a humanidade.

A Biodiversidade produz mais nutrição do que os projetos “corporativos” de “Biofortificação “.

No Dia Mundial da Alimentação vamos celebrar a Agroecologia e nossa rica biodiversidade, como alternativas que são superiores a todas as ferramentas violentas e fracassadas que vêm de guerra e de mentes militarizadas.

Vamos honrar todos os seres e as nossas comunidades na sua diversidade rica e vibrante, com marchas e festas, com feiras e festivais.


• Saiba mais sobre o Tribunal Monsanto: http://pt.monsantotribunal.org/

• Saiba mais sobre a campanha Navdanya em Jaiv Panchayat – democracia viva desde 1999 [Inglês]: http://www.navdanya.org/campaigns/jaiv-panchayat


Mais ações pelo Seed Freedom

• Assina a Declaração Seed Freedom (Sementes livres): http://seedfreedom.info/declaration-on-seed-freedom/
[Português]: https://gaia.org.pt/node/16379

• Subscreve o boletim & actualizações da Liberdade das Sementes: http://seedfreedom.info/newsletter/

Convocatória para a Acção do Seed Freedom (Sementes Livres) 2016

 

Jantar Popular – Sustentabilidade, Transicão,e resistência // Sexta, 7 Outubro

Sexta, 7 Out // 20h jantar; 21h conversa

GAIA, Rua da Regueira 40, Lisboa

Hoje em dia vivemos muito habituados à insegurança e à precariedade do mundo que nos rodeia. Sempre mais susceptíveis às flutuações económicas, sociais e ecológicas, precisamos, cada vez mais, de indivíduos e de comunidades conscientes, resilientes e sustentaveis, capazes de fazer a transição para o novo paradigma de vivência humana no planeta! Com este espírito, um grupo de jovens viajou até à Grecia para participar num intercâmbio internacional envolvendo grupos e organizações de 6 países europeus, onde foram trocadas boas práticas, experiências e perspectivas sobre qual o futuro que gostaríamos de construir em conjunto.

Venham jantar, conversar, e deixem-nos partilhar convosco o conhecimento que foi partilhado connosco!

O que é o Jantar Popular?

Um Jantar comunitário vegano, biológico e LIVRE DE OGMs que se realiza no GAIA, Rua da Regueira, n 40, em Alfama.
Uma iniciativa inteiramente auto-gerida por voluntários.
Um jantar em que podes colaborar! Para cozinhar e montar a sala basta aparecer a partir das 18h. Jantar “servido” a partir das 20h.
Um projecto autónomo e auto-sustentável. As receitas do Jantar Popular representam o fundo de maneio do GAIA que mantém assim a sua autonomia.
Um jantar onde ninguém fica sem comer por não ter moedas e onde quem ajuda não paga. O preço nunca é mais de 3 pirolitos.
Um exemplo de consumo responsável, com ingredientes que respeitam o ambiente, a economia local e os animais.

Uma oportunidade para criar redes, trocar conhecimentos e pensar criticamente

 

Bicicletada contra o fracking

bannerflyer-frackingpt-768x526Seguir as etapas do caminho por aqui: http://bicicletada.colectivo1000101.org/pt

Manifesto

Parecemos entender o valor do petróleo, da madeira, dos minerais, ou da habitação, mas não percebemos o valor da beleza crua, da vida selvagem. Contra esta lógica do lucro, há centenas de anos que povos indígenas, campones@s e autócton@s levantam-se para se defenderem, defenderem a natureza. Nós decidimos realizar esta viagem para defendermo-nos, defender os oceanos, os aquíferos e os solos contra a exploração de energias fósseis, que destrói tudo à sua passagem deixando paisagens de deserto e praias negras de morte. Vamos rolar para partilhar informação, debater ideias, unir lutas e criar redes!

No mar, da Bacia do Porto à Bacia Algarvia, tencionam explorar reservas em águas muito profundas (Deep Offshore). O maior derrame de petróleo de sempre, foi de uma exploração Deep offshore conhecida como Deepwater Horizon, protagonizado pela British Petroleum (BP), no Golfo do México.

Em terra, no Bombarral, Cadaval, Alenquer, Alcobaça, Aljezur, Tavira e Serra da Ossa/Estremoz encontram-se reservas de gás de xisto, que só são extraíveis através da técnica da Perfuração Horizontal de Fracturação Hidráulica, conhecido internacionalmente como Fracking. Das últimas notícias sobre o fracking ouvimos falar de explosões e incêndios em poços de fracking, de terramotos constantes em Oklahoma ou em Montbiel aqui perto. Os rios e aquíferos são contaminados com resíduos radioactivos, minerais e metano devido às fissuras criadas pela fracturação hidráulica.

A exploração a altas profundidades no mar e a fractura hidráulica em terra são consideradas técnicas não-convencionais de extração. Para aceder a estas reservas, a indústria petrolífera inventa novas técnicas, ainda mais perigosas e mais poluidoras do que as técnicas “convencionais”.

O (des)governo português assinou contractos de concessões com grandes multinacionais, que prometem começar a perfurar o primeiro poço exploratório em Agosto a 80 km de Sines.

Se te tirassem todo o sangue e os ossos de dentro de ti, como irias sentir-te? O petróleo é o sangue do planeta, os minerais os ossos. Os engenheiros não conseguem controlar as suas experiências gananciosas com a energia do planeta terra.

Queremos partilhar a aprender todo o conhecimento das populações por onde passarmos. Conhecer as energias respeitadoras dos animais, plantas, rios e ecossistemas (onde nos incluímos como espécie). Recolher o conhecimento, as energias e depois divulgar, unir, criar.

Apelamos aos nossxs colegas rebeldes de todo o mundo que se unam contra o fracking, um dos vários atentados do capitalismo. Destruir tudo, ficar com os lucros. Vamos resistir a este Ecocídio, que intrínsecamente provoca Genocídios.

Este evento depende a participação, colaboração e apoio mutuo. Será financiado pelos participantes e por quem apoiar pelo caminho.
Não procuramos doações, preferimos participações!

 

Plano e ideias

Aqui partilhamos o nosso plano, também podem ver o caminho. Aguardamos o vosso contacto para adicionar mais eventos ao caminho!

Estão todxs convidadxs a participar numa etapa, em várias etapas, ou num pequeno trajecto contactem-nos através do e-mail bicicletada at disroot ponto org.

 

* Relembrar a bicicleta como um meio de transporte
* Passar nos locais importantes para a indústria petrolífera (refinarias, áreas com concessões, locais onde já foram realizadas prospeções, etc.)
* Passar informação (flyers, stickers, apresentações, palestras, etc…)
* Conhecer e/ou dar a conhecer projectos e locais que divulguem a auto-sustentabilidade, energia livre, libertação animal, defesa da natureza, permacultura, * * organização horizontal, projectos sociais, movimentos alternativos, etc…
* Deixar a semente para a criação de um grupo local contra o petróleo e gás e outros tipos de mega projectos.
* Servir de meio de contacto entre várias pessoas e grupos que poderão vir a colaborar em acções futuras.
* Incentivar cada um a acreditar em si, e a agir como consegue e sabe, para colaborar ou criar o seu próprio grupo.
* Alertar o maior nr de pessoas possível durante a viagem, para que no futuro uma acção de um grupo contra as explorações de petróleo ou uma acção do governo e/ou petrolíferas seja apoiada ou rejeitada de norte a sul.
* Dar a conhecer várias formas de resistência popular na Europa e no Mundo
* Convidar as pessoas a participar activamente na acção com uma receção, dar flyers, organizar uma secção de informação, viajar 1, 10,100,1000, ou todos os km da viagem, a criar um grupo local, a organizar eventos para chamar atenção para as explorações, etc.
* Criar uma rede de luta contra as energias fosseis, para invocar protestos e acções de solidariedade com as lutas em seu redor.
————————————————-
O QUE TRAZER (SEM OBRIGAÇOES)
————————————————-

* Vontade
* Comida para um par de dias (depois a ver)
* Saco de cama e/ou tenda
* Uma camara de ar; luzes; um cabo de travões e mudanças; alguma ferramenta, colete refletor
* Contactos para o caminho (para conhecer, ajudar, comer, apresentar uma secção de informação, dormir, etc)
* Identificação (evitar “casos de policia”)
* Uma cópia dos direitos dos ciclistas na estrada
* Propaganda e informação
* Mentalidade de organização horizontal

—————————–
O QUE NAO TRAZER
—————————–

* Propaganda Politica, do tipo: Xenófoba, Racista, Sexista, Corporativa, Religiosa, Capitalista e Nacionalista.
* Propaganda das gigantes ONGs ambientalistas internacionais
* Camping-Gás ou fogões
* Superioridade moral
* Infiltrados (jornalistas, policia em serviço, lobistas, observadores das corporações e ONGs, informadores, Etc.)

 

O QUE GOSTARIAMOS
——————————-
* Que a alimentação fosse 100% vegetariana (chamar a atenção para a Libertação Animal, e para a produção de produtos de origem animal e o impacto nos gases efeito de estufa, que já ultrapassa o impacto do CO2 na camada de ozono devido ao Metano libertado durante a produção de animais)
* Que os alimentos fossem biológicos
* Praticar freeganismo (2)
* Que as nossas roupas não ostentassem marcas
* Que as bicicletas não sejam de uma loja, ONG, corporação/empresa, para evitar o Greenwashing e a publicidade proveitosa.
* Apoios locais com espetáculos de malabares, teatro, contadores de histórias, concertos acústicos (de preferência), performances e outros.
* Acções em locais que representam as corporações que investem na exploração de gás e petróleo em Portugal
* Que chegássemos ao Fim
* Que o Fim fosse um princípio… do fim da indústria do fóssil!
Que dizem?

 

(1) FORÇA MAIOR
—————————

•    Incumprimento ou atraso por parte da concessionária, de qualquer obrigação, no todo ou em parte, serão justificáveis, se o incumprimento ou atraso seja causado por motivos de Força Maior.
•    Força Maior significa qualquer acontecimento ou circunstância considerada, de acordo com critérios de razoabilidade, fora do controlo de qualquer das partes (corporações e Estado), que impeça ou atrase o cumprimento das obrigações previstas no contracto de concessão, que apesar de tomadas todas as diligências adequadas, tal parte não seja capaz de evitar, actos de guerra, actos de terrorismo, tumultos, rebeliões ou perturbações civis, actos de Deus, terramotos, tempestades ou outras catástrofes naturais, explosões, incêndios ou expropriações, nacionalizações, requisição ou outras interferências de autoridades governamentais e ainda greves nacionais ou regionais ou conflitos laborais (oficiais ou não).
•    Se os motivos de Força Maior se mantiverem durante mais do que 15 dias consecutivos as Partes (corporações e estado) vão reunir e rever a situação para acordarem medidas a serem tomadas para a remoção da Força Maior.
•    Se os motivos de Força Maior ocorrerem durante o período inicial de prospeção e pesquisa, e os seus efeitos continuarem por um período de 6 meses consecutivos, a concessionária poderá com um prazo de 90 dias requere o fim do contracto junto do governo. A proposta será avaliada pelo Estado.

 

(2) FEEGANISMO
—————————

* Freegans são pessoas que consomem o mínimo possível de produtos. Os freegans apoiam a comunidade e a ajuda mútua.
* O termo freegan é derivado das palavras “free” (livre, grátis, em inglês) e vegan. Vegans são pessoas que não consomem produtos de origem animal ou testados em animais, em um esforço de evitar a exploração animal, reconhecendo que em uma economia industrial, de produção em massa, movida pelo lucro a exploração acontece em todos os níveis desde a aquisição da matéria-prima, à produção e ao transporte em praticamente quase todos os produtos que compramos
* Procura meios para não colaborar em uma sociedade onde os alimentos são cultivados a milhares de quilômetros, industrializados, e transportados por longas distâncias para serem armazenados por um longo período, tudo isso a um alto custo ecológico.
* Os freegans reconhecem os impactos ecológicos e sociais dos automóveis. Todos sabemos que os automóveis, mas normalmente ninguém pensa nos fatores como florestas serem destruídas para a construção de estradas onde antes havia vida selvagem, e nas constantes mortes de seres humanos e de animais. Além do mais, o atual uso massivo do petróleo gera o estímulo econômico que acarreta guerras.
* Talvez a estratégia freegan mais comum seja a chamada “pilhagem urbana” ou “mergulho em lixeiras”. Essa técnica consiste em procurar no lixo das lojas, residências, escritórios, e outros locais, por bens utilizáveis, incluindo alimentação.
* Grupos como o Food Not Bombs (Comida, e não Bombas) recuperam alimentos que provavelmente iriam para o lixo e os utilizam para preparar refeições coletivas em locais públicos.
* Os freegans reciclam, fazem composto de matéria orgânica no solo para produzir adubo, e sempre que possível consertam o que têm ao invés de mandar fora e comprar algo novo.
* Para o freegan trabalhar significa sacrificar nossa liberdade para obedecer ordens de outros, significa estresse, chateação, monotonia e em muitos casos, arriscar nossa bem-estar físico e psicológico.